top of page
Olhos cansados post
Primeiro de tudo: já visitou seu oftalmologista? É necessário atualizar a prescrição dos óculos ou, se você não usa, verificar se precisa de um.
👁Ajuste a iluminação. Uma iluminação adequada para a leitura pode aumentar a nossa profundidade de foco, por isso, ler em ambiente escuro cansa mais. Telas com a intensidade luminosa forte demais, principalmente se o ambiente está escuro, exige mais da nossa visão, piorando o desconforto.
👁Ajuste as distâncias. Essa dica é boa pois muita gente erra aqui! Colocar o computador, celular ou livro perto demais do nosso rosto aumenta o esforço que precisamos fazer para focar, aumentando também o cansaço visual. Uma regrinha básica é posicionar o braço em “L” e não em “V” ao usar celular ou segurar um livro e deixar a tela do computador a uma distância de um braço esticado.
👁Dê usa pausa. Ficar longos períodos focado em uma tela ou dirigindo, lendo, pintando faz com que nossos olhos pisquem menos, provocando olho seco, que agrava a sensação de fadiga visual. Além disso, quando focamos um objeto próximo (celular, por exemplo), contraímos músculos intraoculares para focar ou seja, fazer a acomodação. E isso, por muito tempo seguido, cansa.
👁Pisque os olhos: quando estamos concentrados, piscamos menos que o habitual, pior ainda se estamos focados em uma tela como a de celular e computador! O piscar é o que espalha a lágrima pelo o olho, portanto, piscar é fundamental
👁Pingue colírios lubrificantes: esse tipo de colírio ajuda a aliviar os sintomas de cansaço ocular. Mas peça indicação ao seu oftalmologista.
👁Beba água: sim, vamos falar o óbvio. Manter o corpo hidratado é fundamental
E ai, anda sentindo os olhos cansados ultimamente? 
Uso de telas para crianças post
Sabe-se que o uso de telas/eletrônicos pode influenciar o desenvolvimento infantil. Uma vez que os estímulos são essenciais para o aprendizado, concentração, coordenação motora, conhecimento do próprio corpo e socialização dos pequenos, a substituição de vários deles por telas eletrônicas, com a criança sentada, sem explorar o ambiente ao seu redor, pode ser prejudicial. Para sabermos quanto e como ocorre esta intervenção, ainda precisaremos fazer mais estudos, mas já podemos seguir a recomendação de restringir o tempo de exposição a esses aparelhos. A recomendação pode variar um pouquinho de acordo com o órgão (OMS, Sociedade de pediatria...) mas é em geral:
👶🏻Abaixo de um ano: a criança não deve ser exposta a telas
👶🏻Entre 1 e 2 anos: a recomendação varia entre não usar ou usar por no máximo 1 hora no dia (fracionada), sempre acompanhado de um adulto
👧🏻Entre 2 e 4 anos: o tempo de exposição deve ser inferior a uma hora por dia (fracionada), sempre acompanhada de um adulto
👧🏻Acima de 6 anos, deve seguir as seguintes recomendações:
-Incentivar a criança a brincar e a realizar atividades físicas, evitando assim as telas.
-Estabelecer o limite diário para o uso dos eletrônicos.

-Não permitir que o quarto da criança tenha televisão, computador,  tablet ou smartphone.

-Evitar o uso de telas no mínimo uma hora antes de dormir.

-Não deixar utilizar celulares e tabletes com fins recreativos após o término das tarefas escolares

-Monitorar os conteúdos que a criança tem acesso.
Ambliopia post
Ambliopia, conhecida também por “olho preguiçoso”, é a baixa visão que não pode ser corrigida com óculos ou lentes de contato.
É causada por estímulo visual insuficiente durante o período de maturação do sistema nervoso central (que se dá até aproximadamente os 7 anos de idade), provocando deficiência no desenvolvimento visual. O olho é estruturalmente normal e não há nenhuma lesão orgânica cerebral. 
Não nascemos enxergando bem, nosso cérebro, onde as imagens vindas dos nossos olhos são processadas, vai “aprendendo a ver”. Portanto, se um dos olhos não recebe as imagens de forma clara, ele também enviará um estímulo ruim para o córtex visual que não se desenvolverá adequadamente e o cérebro priorizará o lado bom. 
CAUSAS:
👀Estrabismo: o cérebro, ao tentar melhorar o grande desconforto da visão dupla causada pelo estrabismo, ignora a informação visual do olho desviado
👀Ametropia: grau elevado em ambos os olhos e não corrigido impede a formação de uma imagem nítida, dificultando o desenvolvimento visual.
👀Anisometropia: a diferença de grau entre os olhos (geralmente maior que 2,00D) pode fazer o cérebro desenvolver bem apenas a visão do olho com menor grau e até suprimir a imagem borrada do outro. 
👀Privação Visual: causada por uma barreira à chegada da imagem até a retina, impedindo a formação da imagem. Pode ocorrer na ptose palpebral, catarata congênita, opacidades na córnea, tumores palpebrais que impedem a abertura normal destas. 
TRATAMENTO:
👓se a criança tiver ametropia ou anisometropia, a primeira coisa a fazer é corrigir o grau com óculos ou lentes de contato. 
🙈oclusão de um dos olhos ou dos dois de forma alternada. É ocluído o olho com melhor visão para forçar o olho mais fraco a fixar os objetos e estimular o córtex visual. 
💉Cirurgia nos casos de ambliopia de privação para retirar o obstáculo à visão. Pode ser feita a correção cirúrgica do estrabismo quando este estiver presente. 
O mais importante é fazer o diagnóstico precoce e iniciar o tratamento o quanto antes para possibilitar uma visão satisfatória e binocular (como os dois olhos) na vida adulta. 
Como cuidar do seu colirio

Os colírios são remédios líquidos utilizados para tratamentos oftalmológicos, como  desconforto ocular, coceira, irritação, ressecamento no olho, alergia ou problemas mais graves, como conjuntivites, inflamações e infecções.

 

Há vários tipos de colírios, os principais são: 

  • Colírio Lubrificante;

  • Collirio antibiotico;

  • Colírio anti-inflamatório;

  • Colírio antialérgico;

  • Colírio anestésico;

  • Colírio descongestionante;

  • Colírio para glaucoma.

 

Cada um cuida de um problema diferente, sendo assim, é imprescindível que tenha uma orientação médica para aplicação do mesmo. 

Em posse do colírio é preciso ter alguns cuidados para a conservação dos produtos. Veja abaixo algumas dicas:
 

-Mantenha em locais adequados para conservação-

Assim como qualquer medicamento é preciso ter cuidado ao armazenar os colírios. E para que cada armazenamento seja feito da forma correta é crucial saber se é um colírio com conservantes ou um colírio sem conservantes. 

Isso porque, a forma correta de guardar ambos os produtos é diferente por conta de seu componente. 

Os colírios que possuem conservantes devem ser guardados em locais longe de umidade e calor. Não sendo indicados locais como: mochilas, cozinhas, banheiros, carros, entre outros similares. 

Já os colírios sem conservantes precisam ser mantidos em geladeiras, pois precisam ser refrigerados, mas cuidado, eles não podem ser congelados, pois perdem sua eficácia!
 

-Esteja atento às validades-

Outro ponto de atenção são as validades. Isso mesmo, há duas validades que variam de acordo com a data que o produto é aberto. 

A primeira data que deve-se atentar é a que consta na embalagem. Essa data te dirá até quando o colírio é válido enquanto fechado. 

A outra data que deve ser respeitada é a que consta na bula. Os colírios perdem a sua validade após 30 dias de aberto. Sendo assim, após um mês de utilização o medicamento deve ser trocado, mesmo que reste alguém líquido.  

Seguindo essas instruções você verá resultados nos tratamentos e terá um colírio bem conservado para utilização.

Hidrocistomas post
Os hidrocistomas são pequenos (às vezes nem tão pequenos assim) cistos benignos, cheios de líquido transparente, localizados próximos à margem palpebral. Parecem bexiguinhas de água! São subdivididos entre apócrino ou écrino. 
🎈O apócrino, também conhecido como cisto de Moll é um cisto de retenção arredondado e translúcido, localizado na margem palpebral anterior da pálpebra, podendo ser um pouco azulado.
🎈O écrino, menos comum, tem aparência bem semelhante ao cisto de Moll, mas geralmente localiza-se nas porções mais mediais ou laterais da pálpebra, sem comprometer a margem palpebral.
O tratamento é feito pela exérese cirúrgica. Não adianta somente perfurar pois, se a cápsula não for retirada, ele se encherá de líquido novamente. A exérese é realizada sob anestesia local, fazemos uma pequena excisão e retiramos toda a cápsula. O desafio é retirar o cisto inteirinho, de preferência sem perfurar (os pacientes adoram ver os cistos depois da cirurgia) e suturamos a pele com pontos que serão retirados 5-7 dias após. Eu adoro fazer esse procedimento!
bottom of page